Aumenta para 36 o número de mortos após deslizamento na Colômbia


Os trabalhos de resgate foram suspensos à noite pelo risco de novos deslizamentos em uma região próxima ao Pacífico

Com cães farejadores e escavadeiras, socorristas buscam dez desaparecidos sob os escombros de um deslizamento que matou 36 pessoas e deixou outras 20 feridas em uma comunidade indígena do noroeste da Colômbia, segundo um balanço oficial deste domingo (14).

“A todas as famílias das vítimas, meu sentimento de pêsames […] Esperamos encontrar” os desaparecidos e “que as pessoas não estejam mortas”, disse o presidente da Colômbia, Gustavo Petro, no município de Carmen de Atrato, no departamento de Chocó, onde ocorreu o deslizamento na sexta-feira.

Em um relatório anterior, as autoridades haviam registado 10 pessoas desaparecidas e 33 mortos.

“Nas últimas horas foram encontrados 3 novos corpos. Dois (2) identificados por seus familiares foram entregues em Medellín. Uma (1) pessoa ainda não identificada foi transferida para Quibdó”, indicou a província de Chocó em um boletim.

Imagens compartilhadas nas redes sociais e em canais de televisão mostram o momento em que um pedaço gigantesco da montanha se desprende e soterra uma fila de carros, enquanto se ouvem gritos.

Cinquenta pessoas conseguiram se refugiar em uma casa adjacente, mas foram atingidas por outro deslizamento, explicou o presidente.

Os trabalhos de resgate foram suspensos à noite pelo risco de novos deslizamentos em uma região próxima ao Pacífico, onde está uma das florestas mais chuvosas do mundo.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mais de 200 pessoas entre bombeiros, socorristas, militares e indígenas trabalham contra o relógio, enquanto os parentes dos desaparecidos aguardam notícias nos arredores.

“Precisamos saber do meu sobrinho, porque não sabemos nada dele, nem vivo nem morto”, disse à AFP Clara Estrada no sábado.

‘Seguem em risco’

A estrada ficou dividida ao meio. Ao longo da encosta, veem-se carros enterrados, árvores destruídas, lama e pedras. Os socorristas carregam corpos em macas, e helicópteros sobrevoam a área.

“A possibilidade de mais deslizamentos está presente aqui, neste mesmo ponto. Houve dois dias de sol, o risco é menor, mas assim que começarem as chuvas, todo o pessoal envolvido na atividade e quem estiver aqui ainda estará em risco”, disse o presidente Petro.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apesar de a Colômbia atravessar uma temporada de seca, o Instituto de Hidrologia, Meteorologia e Estudos Ambientais (IDEAM) registrou fortes chuvas na sexta-feira em alguns departamentos do Pacífico e da Amazônia.

“Declara-se desastre natural em Chocó. Como consequência, serão destinados meio bilhão de pesos (R$ 606 milhões) para concluir a estrada este ano e realizar obras de segurança que nunca foram contratadas em 20 anos”, escreveu o presidente de esquerda na rede social X.

Os deslizamentos bloquearam o caminho de Quibdó, a capital do departamento de Chocó, para Medellín, a segunda maior cidade da Colômbia.

“Não sei nem o que pensar, estou aqui preocupado, em busca dos meus familiares”, disse Andrés Asprilla. Quatro de seus parentes ainda estavam desaparecidos no sábado.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

© Agence France-Presse



Source link

Leave a Comment