Cid Gomes e Izolda Cela se filiam ao PSB após racha no PDT


Partido de Alckmin faz ato de filiação em Fortaleza com a presença de ministros e líderes no Estado; filiação se dá por briga na família Gomes

O senador Cid Gomes (CE) se filiou ao PSB neste domingo (4.fev.2024). A filiação se dá depois de uma racha no seu partido anterior, o PDT, e uma divisão familiar. A atual secretária-executiva do Ministério da Educação, Izolda Cela, a 1ª mulher governadora do Ceará, também se juntou ao partido do vice-presidente Geraldo Alckmin.

O evento de filiação é realizado em Fortaleza. Tem a presença de Alckmin e dos ministros Márcio França (Empreendedorismo) e Camilo Santana (Educação). Além de Cid e Izolda, cerca de 40 prefeitos se uniram à legenda.

Cid Ferreira Gomes é um dos principais líderes políticos do Ceará. Ele já havia sido do PSB, mas rompeu com o partido em 2013. Na época, tinha decidido se filiar ao Pros e levou consigo diversos políticos. Depois, em 2015, foi para o PDT, e sua região se tornou um dos principais redutos pedetistas do país. Nas eleições municipais de 2020, o PDT elegeu 66 prefeitos e 586 vereadores, o maior número de eleitos no Estado. 

Porém, Cid deixou o partido, mesma sigla do seu irmão e ex-ministro Ciro Gomes, depois de uma briga familiar. Levou consigo mais de 40 prefeitos, entre eles o irmão mais novo deles e prefeito de Sobral, Ivo Gomes.

A briga entre Cid e Ciro se tornou pública em 2022 depois do fim da aliança de anos entre PT e PDT no Ceará. Naquele ano, por decisão de Ciro, então candidato a presidente, Izolda Cela não concorreu à reeleição. Ela havia assumido o cargo deixado por Camilo Santana, que saiu para disputar o Senado. Cid queria que Izolda fosse a candidata.

A então governadora decidiu deixar o partido e apoiou o nome do PT na disputa, Elmano de Freitas, que acabou sendo eleito no 1º turno, com 54% dos votos. Ciro amargou também uma derrota nacional, com 3% dos votos.

Em 2023, a briga escalou e a principal causa passou a ser as possíveis alianças com o PT nas eleições municipais de outubro deste ano. 

A ala Ciro Gomes defende que o partido não se alie aos petistas em Fortaleza e que tenha chapa pura para a disputa pela reeleição de José Sarto. Já a ala ligada a Cid quer ter um petista como vice. Os diretórios do país decidiram manter distância da crise.

Ativo nas redes sociais, mas sem mandato, Ciro não tem falado sobre o racha com o irmão. Usa a internet majoritariamente para divulgar sua newsletter e se mostrar como oposição a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a Jair Bolsonaro (PL).

Cid também evita citar o irmão em suas declarações públicas. Em novembro de 2023, subiu o tom contra o presidente licenciado do PDT, Carlos Lupi, que comanda o Ministério da Previdência Social, e o presidente interino do partido, deputado André Figueiredo (CE).

“Se o Lupi me ligar agora, eu não atendo, porque eu não o respeito mais. Se o André me ligar, eu não atendo, porque eu não o respeito mais. Eles não são democratas”, disse a jornalistas.





Source link

Leave a Comment