Coreia do Norte pode tentar atrapalhar eleições de abril, diz Sul


Coreia do Sul terá pleito legislativo; presidente sul-coreano fala em “numerosos” possíveis atos de “provocação” do Norte

O presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol, disse nesta 4ª feira (31.jan.2024) que a Coreia do Norte pode realizar “numerosos” atos de “provocação” para tentar interferir nas eleições legislativas de 10 de abril. Yoon citou ações como exercícios armados perto da fronteira entre os países, invasão do espaço aéreo por drones, ataques cibernéticos e divulgação de informações falsas. As informações são da agência Reuters.

A tensão na Península Coreana vem se intensificando desde o final de 2023. Em 31 de dezembro, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, pediu preparo das forças militares do país para uma eventual guerra contra a Coreia do Sul. Segundo o norte-coreano, o conflito poderia “eclodir a qualquer momento”.

No domingo (28.jan), a agência de notícias estatal norte-coreana KCNA publicou um artigo afirmando que “as forças hostis lideradas pelos EUA” estão fazendo com que a região fiquei “cada vez mais próxima” da guerra.

Os EUA e os seus asseclas organizaram, em menos de 1 mês, uma série de exercícios militares conjuntos visando a Coreia do Norte por ar, terra e mar, em torno da península coreana, mobilizando todos os tipos de recursos estratégicos nucleares”, diz a publicação.

Na reunião anual do conselho central integrado de Defesa –que reúne entidades militares, governamentais e de defesa civil–, Yoon disse: “A Coreia do Norte está passando por fogo e água apenas para manter o seu regime totalitário hereditário, enquanto ignora descaradamente o direito internacional e as resoluções do Conselho de Segurança da ONU [Organização das Nações Unidas] ao negociar armas com a Rússia”.

Em meados de janeiro, os chanceleres de Rússia e Coreia do Norte se reuniram em Moscou. O Kremlin afirmou que construirá laços com o governo norte-coreano em “todas as áreas”.

O presidente sul-coreano apelou a uma maior cooperação entre os militares, o governo, a polícia e os intervenientes privados do país. Ele pediu que fossem tomadas medidas adicionais para prevenir possíveis ataques cibernéticos à infraestrutura nacional e tentativas de disseminar informações falsa.

Os ataques cibernéticos podem paralisar as funções nacionais e a vida cotidiana das pessoas em um instante. Notícias falsas e propaganda falsa também podem causar grande caos na sociedade”, disse ele.


Leia mais:





Source link

Leave a Comment