Indícios apontam que havia “Abin paralela”, diz novo diretor-adjunto


O novo diretor-adjunto da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), Marco Cepik, disse nesta 4ª feira (31.jan.2024) que a PF (Polícia Federal) tem “todos os indícios” que indicam para a existência de uma “Abin paralela” no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

“O avanço das investigações apontam para isso [existência da Abin paralela]. Temos que aguardar o final do processo investigatório nas 3 instâncias administrativas e criminal, para verificar a comprovação não só sobre se houve, mas sobre quem estava ali. Todos os indícios que se tem é de que havia, sim”, disse, em entrevista à GloboNews.

Cepik afirmou que parte dos policiais federais da agência ligados à gestão do deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), diretor do órgão sob Bolsonaro, também foram afastados. Disse, porém, que não concorda com a ideia de demitir todos os agentes ligados à antiga diretoria.

“Este é um processo que não é uma purga política, que a gente possa simplesmente sair apontando os dedos. Precisamos do devido processo para que as instituições republicanas se fortaleçam. Uma vez apuradas essas responsabilidades, não há nenhuma dúvida de que toda a administração da Abin é profundamente comprometida com as consequências disso em sede administrativa e legal”, afirmou o diretor-adjunto.

Marco Aurélio Chaves Cepik assumiu o novo cargo na Abin depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) decidir demitir o antigo diretor, Alessandro Moretti, na 3ª feira (30.jan). Antes, Cepik ocupava a posição de diretor da Escola de Inteligência da agência.

OPERAÇÃO DA PF

A demissão de Moretti é consequência direta de operação da Polícia Federal que investiga a criação de uma “Abin paralela” dentro do órgão de inteligência durante o governo Bolsonaro.

Segundo a corporação, o grupo seria responsável por espionar, sem autorização judicial, autoridades públicas. Entre as medidas em investigação está, por exemplo, o suposto monitoramento ilegal de juízes, jornalistas e ministros que frequentam o STF (Supremo Tribunal Federal).

Ainda de acordo com a PF, há indícios de “possível conluio” entre integrantes da atual gestão da Abin com investigados pelo monitoramento de autoridades.

Em relatório encaminhado ao ministro do STF Alexandre de Moraes, a investigação menciona uma conversa de 28 de março de Moretti com agentes investigados.

Na época, Moretti teria afirmado que o processo tem “fundo político e iria passar”. Também teria dito que conseguiu “apoio lá de cima”.

“A gravidade ímpar dos fatos é incrementada com o possível conluio de parte dos investigados com a atual alta gestão da Abin, cujo resultado causou prejuízo para presente investigação, para os investigados e para própria instituição”, diz trecho do documento.





Source link

Leave a Comment