Leia as 5 notícias do mercado desta 5ª feira


Setor imobiliário e industrial dos EUA, Google anuncia demissões, preço do petróleo e renúncia fiscal estão entre os temas

Os principais índices acionários futuros dos EUA registravam leve alta nesta 5ª feira (18.jan.2024) com o mercado ainda respondendo às menores expectativas de cortes de juros pelo Fed (Federal Reserve, o banco central americano) no início deste ano.

No cenário corporativo, o CEO do Google, Sundar Pichai, teria alertado os funcionários sobre mais cortes de funcionários, enquanto a fabricante de chips TSMC afirma que a demanda por inteligência artificial gerará um ano de “crescimento saudável”.

No Brasil, o governo demonstra preocupação com despesas fora do previsto que podem dificultar o objetivo de zerar o déficit fiscal neste ano.

1. Setor imobiliário e industrial em foco nos EUA

Nesta 5ª feira (18.jan), o Fed e os investidores vão examinar novos dados econômicos em busca de sinais sobre a evolução da inflação e da atividade geral.

A expectativa é que as construções residenciais iniciadas, um indicador de novos projetos habitacionais, tenham subido para 1,426 milhão em dezembro, um pouco abaixo dos 1,560 milhão de novembro. Esse dado reflete a demanda no vital setor imobiliário dos EUA e pode dar pistas sobre o interesse dos consumidores por compras de maior risco e valor.

Também será divulgado o índice do Fed da Filadélfia, que costuma ser um bom termômetro da indústria manufatureira americana.

Além disso, o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, deve fazer um pronunciamento no qual pode abordar suas expectativas para os juros. No começo do mês, Bostic afirmou que a inflação parece estar “no rumo” da meta de 2% do Fed e que ele está “satisfeito” com a postura “restritiva” da política monetária.

Os futuros das ações americanas operavam perto da estabilidade na 5ª feira (18.jan), indicando uma abertura calma do mercado, depois da queda na sessão anterior.

Às 7h52 (horário de Brasília), o contrato Dow futuros estava estável, o S&P 500 futuros avançava 0,15% e o Nasdaq 100 futuros ganhava 0,4%.

Os principais índices de Wall Street recuaram na 4ª feira (17.jan), pressionados por dados econômicos que esfriaram as expectativas de que o Fed iniciaria em breve um corte de juros, que estão em patamares elevados há mais de 2 décadas.

As vendas no varejo de dezembro, acima do previsto, mostraram que o consumidor americano segue forte, apesar da alta da inflação e dos juros – um cenário que poderia desencorajar o Fed de fazer reduções imediatas.

As ações de crescimento, mais sensíveis aos juros, lideraram as perdas, afetando especialmente o Nasdaq Composite. O índice de tecnologia cedeu 0,6%, enquanto o índice amplo S&P 500 recuou 0,6% e o índice de blue chips Dow Jones Industrial Average retrocedeu 0,3%.

VEJA: Cotações das ações americanas

2. Google anuncia mais demissões

Sundar Pichai, CEO do Google, informou aos colaboradores que a gigante dos mecanismos de buscas fará mais cortes de pessoal, segundo uma reportagem do portal The Verge citando um memorando interno.

Pichai justificou no documento que as demissões são necessárias para agilizar as operações e acelerar algumas áreas, de acordo com o relatório.

No entanto, garantiu que as dispensas não serão tão amplas quanto as do ano passado e não afetarão todos os times. A Alphabet, controladora do Google, anunciou na semana passada que demitiria centenas de empregados em diversas divisões, incluindo sua unidade de Assistente de Voz e seu segmento de hardware que abrange dispositivos como Nest e Fitbit.

As demissões atingiram empresas de vários ramos nos últimos meses, refletindo um esforço de muitas companhias para reduzir custos e focar os investimentos no desenvolvimento de software de inteligência artificial.

LEIA MAIS: ‘Pouso suave’: EUA estariam em soft landing?

3. TSMC tem queda

A TMSC (Taiwan Semiconductor Corp), maior fabricante de chips terceirizada do mundo, reportou uma queda menor que a esperada no lucro do 4º trimestre, beneficiada pelo aumento das vendas de seus semicondutores mais avançados.

A empresa projetou um desempenho um pouco mais fraco para o 1º trimestre de 2024, mas afirmou que a demanda por chips no próximo ano será impulsionada pelo crescimento da inteligência artificial.

“Esperamos que 2024 seja um ano de crescimento saudável para a TSMC, sustentado pela […] demanda robusta relacionada à IA. Os modelos de IA exigem um hardware de semicondutor mais potente […], portanto, o valor da posição tecnológica da TSMC está aumentando”, disse o CEO C.C. Wei em uma teleconferência depois da divulgação dos resultados.

O lucro nos 3 meses encerrados em 31 de dezembro recuou para T$ 238,7 bilhões (US$ 7,6 bilhões), ante T$ 295,9 bilhões no mesmo período do ano anterior. Por ação, o lucro caiu para T$ 9,21, mas ainda assim superou as estimativas da Investing.com de T$ 8,67.

CONFIRA: Cotações das commodities

4. Preço do petróleo elevado

Os preços do petróleo avançavam na 5ª feira (18.jan), impulsionados por uma projeção de alta da demanda da Opep e por uma redução na produção do petróleo dos EUA provocada por uma onda de frio em partes do país.

Às 7h52 (de Brasília), os contratos futuros do petróleo bruto dos EUA subiam 0,91%, a US$ 73,14 por barril, enquanto o contrato Brent tinha alta de 0,64%, a US$ 78,38 por barril.

Em um relatório mensal, o cartel petrolífero Opep disse que espera que a demanda por petróleo bruto continue relativamente forte nos próximos 2 anos.

As baixas temperaturas no estado americano de Dakota do Norte também fizeram a produção de petróleo cair de 650.000 a 700.000 barris por dia, menos da metade de sua produção normal.

Além disso, o Paquistão lançou ataques de mísseis contra o Irã, em resposta a ataques iranianos dentro do território paquistanês. A violência aumentou os receios de um conflito maior no Oriente Médio, um cenário que poderia afetar o suprimento de petróleo bruto.

Mas os ganhos de preços foram limitados, por enquanto, por um crescimento inesperado nos estoques de petróleo dos EUA e pelas dificuldades de recuperação na China.

5. Renúncia fiscal custará R$32 bi

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que renúncias fiscais que não estão previstas no orçamento deste ano podem custar R$ 32 bilhões às contas públicas. O governo tem discutido a renoreação da folha salarial de setores da economia, mas a medida não agradou parlamentares.

Anteriormente, os setores que mais empregavam conquistaram uma diminuição nos impostos trabalhistas – a chamada desoneração da folha. Na prática, a contribuição incidia sobre a receita bruta, não sobre os salários.

De acordo com Haddad, a continuidade da desoneração poderia custar R$12 bilhões, enquanto o programa de retomada do setor de eventos somaria R$16 bi. Outros R$4 bi seriam relacionados a cortes nos impostos de pequenos municípios.

Neste ano, o governo busca alternativa para zerar o déficit fiscal, mas ainda busca uma solução para diminuir o rombo nas contas públicas.

Às 7h53 (de Brasília), o ETF EWZ (NYSE:EWZ) subia 0,06% no pré-mercado.


Com informações da Investing Brasil.





Source link

Leave a Comment