‘Não ao velho caminho’: eleitores de Taiwan superam o conflito na China


A China nunca descartou o uso da força para tomar Taiwan, e as ameaças de Pequim pairaram sobre a campanha eleitoral

Um dia depois de desafiarem as ameaças de Pequim ao elegerem um novo presidente que a China considera um separatista perigoso, os eleitores taiwaneses rejeitaram o seu vizinho agressivo do outro lado do estreito.

Lai Ching-te, do Partido Democrático Progressista (DPP), no poder, venceu confortavelmente as eleições de sábado – apesar da China alertar repetidamente os taiwaneses que elegê-lo colocaria a ilha num “caminho mau” para a guerra.

A China comunista, que reivindica o autogovernado Taiwan como seu próprio território, opõe-se fortemente a Lai e ao DPP, considerando-os demasiado favoráveis ​​à independência – uma linha vermelha para Pequim.

A China nunca descartou o uso da força para tomar Taiwan, e as ameaças de Pequim pairaram sobre a campanha eleitoral.

A aposentada Cindy Huang disse à AFP que a vitória de Lai sobre Hou Yu-ih do Kuomintang (KMT) – vista como mais favorável a Pequim – mostrou que Taiwan queria superar décadas de ansiedade em relação à China.

“Taiwan saiu, não queremos voltar ao antigo caminho”, disse o homem de 58 anos à AFP.

“Não queremos mais estar vinculados à China.”


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– Situações difíceis –

Pequim insiste que Taiwan faz parte da China da mesma forma que Macau e Hong Kong, mas a experiência do antigo centro bancário governado pelos britânicos alarmou os eleitores taiwaneses.

Depois de anos permitindo liberdades limitadas a Hong Kong ao abrigo da doutrina “um país, dois sistemas”, Pequim reprimiu duramente a dissidência com uma lei de segurança nacional implementada após protestos em toda a cidade por maior liberdade.

“Esse protesto (em Hong Kong) teve um impacto profundo sobre os jovens de Taiwan e nos fez querer que Taiwan fosse reconhecida separada e independentemente no mundo”, disse à AFP a funcionária universitária Hana.

O seu amigo Mike, um trabalhador da construção civil, disse que a configuração actual, em que Taiwan é independente na prática – com o seu próprio governo, bandeira, forças armadas e economia – estava a funcionar.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Eu só quero manter o status quo, ou seja, não piorar”, disse ele, descartando a ideia de a China tomar a ilha como ameaças vazias.

“A China tem entoado essas palavras fortes há 70 anos, mas elas não nos invadiram.”

Lai e o DPP moderaram a retórica do passado que pressionava pela independência total, argumentando que, uma vez que Taiwan é essencialmente soberano, não há necessidade de uma declaração formal que enfureceria Pequim.

Uma operária de 40 anos, de sobrenome Wang, aproveitando o sol quente de Taipei com suas duas chinchilas, disse estar feliz com o acordo.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Taiwan é um país independente de facto, por isso não importa realmente se o mundo reconhecerá isso”, disse Wang.

“Acho que os resultados das eleições mostram que o povo de Taiwan quer manter o status quo e preservar o nosso próprio modo de vida.”

As eleições de sábado registaram uma mudança na dinâmica política da ilha, uma vez que o emergente e populista Partido Popular de Taiwan (TPP) obteve mais de 25 por cento dos votos, perturbando o tradicional duopólio DPP-KMT.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O TPP e o seu carismático candidato presidencial Ko Wen-je prometeram uma opção “razoável e pragmática” para os eleitores cansados ​​dos dois principais partidos.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Embora Ko tenha terminado em terceiro lugar, para alguns jovens taiwaneses o seu partido representa uma alternativa refrescante aos dois grupos do establishment.

– Status quo –

A estudante universitária Stephanie Chen perdeu a eleição porque ainda faltam poucos dias para completar 20 anos – a idade legal para votar em Taiwan.

Para ela, apesar dos terríveis avisos da China através do Estreito de Taiwan, a guerra é uma perspectiva distante – quase inimaginável – e a TPP ofereceu novas ideias inspiradoras.

Chen disse que teria votado no TPP se pudesse “porque as iniciativas de Ko parecem mais criativas e menos conservadoras”.

“Dou prioridade àqueles que conseguem fazer melhor a gestão das finanças públicas e do governo”, disse ela.

Alan Li, um engenheiro civil que votou a favor da TPP, disse que também para ele as políticas internas, e não as diplomáticas, eram a sua prioridade.

O jovem de 30 anos disse querer uma mudança no governo, uma vez que o aumento dos preços dos imóveis nos últimos anos se tornou intolerável para jovens como ele.

A sua parceira, Jane Wu, também de 30 anos, repetiu os apelos de outros eleitores para manter o status quo com a China, esperando que Lai não pressionasse demasiado pela independência.

“Taiwan e China são de facto dois países e já o são há muito tempo. Um reconhecimento oficial na lei não é realmente necessário”, disse Wu, que trabalha na indústria.

© Agência France-Presse



Source link

Leave a Comment