Rogério Marinho fala em “perseguição” e critica operação da PF


Líder da Oposição no Senado afirma que seu grupo político quer providências para “resguardar as prerrogativas” dos congressistas

O líder da Oposição no Senado, Rogério Marinho (PL-RN), criticou nesta 5ª feira (25.jan.2024) a operação da PF (Polícia Federal) contra o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ). A operação apura suposta espionagem ilegal realizada pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência) no período em que Ramagem esteve à frente da agência.

Segundo Marinho, “se estabeleceu um padrão” nas operações que miram integrantes na oposição. O congressista lembrou que na 5ª feira (18.jan) o alvo da PF foi o líder da Oposição na Câmara, Carlos Jordy (PL-RJ). A ação teve como objetivo identificar pessoas que tenham planejado, financiado e incitado atos extremistas de outubro de 2022 ao início do ano passado.

“Há uma clara ultrapassagem do limite constitucional que foi definido pelo próprio STF [Supremo Tribunal Federal]. O deputado Jordy é líder da Oposição e pré-candidato a prefeito de Niterói. Hoje nova busca e apreensão em um outro inquérito contra o deputado Ramagem, também deputado federal e também candidato a prefeito da cidade do Rio de Janeiro”, afirmou Marinho.

O líder da Oposição no Senado também afirmou que seu grupo político vai cobrar providências dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para “resguardar as prerrogativas” dos congressistas.

“Nós iremos conversar com os demais líderes, fizemos contato com o senador Rodrigo Pacheco, conversamos com Lira e precisamos que eles tomem providências no sentido de resguardar as prerrogativas dos parlamentares. Todos podem ser investigados, mas dentro do que preceitua a Constituição. Essas excepcionalidades tornaram-se comuns”, disse o senador.

Assista à manifestação de Rogério Marinho (4min33s):

Operação da PF

A operação deflagrada pela Polícia Federal nesta 5ª feira apura suposta espionagem ilegal realizada pela Abin quando Ramagem era diretor da agência.

Ramagem chefiou o órgão na gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) de julho de 2019 até março de 2022, quando deixou o cargo para concorrer às eleições.

Policiais realizaram buscas no gabinete de Ramagem na Câmara dos Deputados. A PF afirma que, além das buscas, há medidas alternativas à prisão sendo cumpridas, como a suspensão imediata do exercício das funções públicas de 7 policiais federais.

Agentes cumprem 21 mandados de busca em Brasília (18), Minas Gerais (2) e Rio de Janeiro (1). A investigação apura o uso irregular de sistemas de GPS da Abin para rastrear celulares de autoridades e cidadãos sem autorização judicial. Entenda mais nesta reportagem.





Source link

Leave a Comment