Biden pede ao Congresso aprovação de uma reforma ‘dura’ para controlar migração


“Se vocês levam a sério a crise fronteiriça, aprovem um projeto de lei bipartidário e eu o sancionarei”, acrescentou

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu nesta sexta-feira (26) aos republicanos do Congresso que aprovem uma reforma para controlar a migração que lhe permitiria “fechar a fronteira” com o México “quando esta estiver saturada”.

“O que foi negociado seria – se for aprovado como lei – o conjunto de reformas mais duras e justas para garantir a segurança da fronteira que jamais tivemos em nosso país”, afirmou Biden em comunicado.

“[A lei] me daria, como presidente, uma nova autoridade de emergência para fechar a fronteira quando esta estiver saturada”, acrescentou, sem que se saibam os detalhes do acordo negociado entre um grupo de congressistas conservadores e funcionários governamentais.

Estas negociações são um tentativa de salvar um pacote de ajuda à Ucrânia que o presidente solicitou ao Congresso, mas condicionado pelos republicanos a um endurecimento da política migratória.

“Se vocês levam a sério a crise fronteiriça, aprovem um projeto de lei bipartidário e eu o sancionarei”, acrescentou.

As negociações sobre este tema, um dos mais importantes para as eleições de novembro, são árduas. Há semanas, trabalham “as 24 horas do dia, os feriados e os fins de semana”, afirmou Biden.

O presidente, candidato à reeleição em novembro, exorta o Congresso a proporcionar os fundos que pediu em outubro para cobrir o custo de 1.300 agentes adicionais da patrulha fronteiriça, 375 juízes de imigração, 1.600 funcionários de asilo e mais de 100 máquinas para detectar fentanil na fronteira.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A convocação de Biden chega poucas horas depois de o presidente da Câmara dos Representantes, o republicano Mike Johnson, advertir que o pacto migratório morrerá assim que chegar à Câmara.

“Se os rumores sobre o conteúdo do projeto estão corretos, ele já estaria morto ao chegar à Câmara de qualquer maneira”, afirmou Johnson em uma carta enviada aos republicanos da Câmara dos Representantes.

© Agence France-Presse


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Source link

Leave a Comment