Itaú espera flexibilização monetária adiada nos EUA e Zona do Euro


Nos EUA, a expectativa anterior era maio, mas foi revisada para junho diante de dados mais fortes de inflação e emprego

O cenário de desinflação difícil no mercado global indica juros mais baixos neste ano, mas com flexibilização adiada, segundo o Itaú BBA. A expectativa do banco é de início de cortes em junho nos Estados Unidos e na Zona do Euro.

“Dados de inflação piores na margem dificultam o início dos ciclos de afrouxamento monetário nos países desenvolvidos, mas os fundamentos continuam apontando para melhora a frente, mantendo espaço para cortes (ainda que mais comedidos)”, indica o banco em relatório enviado aos clientes e ao mercado.

Nos EUA, a expectativa anterior era maio, mas foi revisada para junho diante de dados mais fortes de inflação e emprego, levando o Fed a um tom cauteloso. O Itaú BBA espera 3 cortes neste ano, contra 4 estimados antes. “Apesar dos riscos altistas em razão da atividade forte, esperamos que a inflação volte para o regime do 2º semestre de 2023, permitindo o início do ciclo de corte de juros”, diz o banco.

Na Zona do Euro, o cenário anterior era em abril, mas passou para junho, diante de uma inflação mais persistente que justificaria a cautela do Banco Central Europeu. “A inflação mais persistente no 1T justifica que o banco central adie o início do ciclo de corte de juros de abril para junho, levando a taxa para 2,75% (vs. 2,50% no cenário anterior) no fim do ano”, completa.


Com informações da Investing Brasil.





Source link

Leave a Comment