Marca de lingerie faz propaganda após buscas contra Carlos Bolsonaro


Duloren usou imagem de uma sacola sua na casa do vereador durante a operação da PF para fazer campanha de desconto

A marca de lingerie Duloren aproveitou a operação da PF (Polícia Federal) que teve como alvo o vereador carioca Carlos Bolsonaro (Republicanos) para lançar uma campanha de marketing em suas redes sociais.

Suspeito de envolvimento na suposta espionagem ilegal da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), a corporação realizou busca e apreensão em endereços do filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na 2ª feira (29.jan.2024).

Assista (55s):

Nesta 3ª feira (30.jan.2024), Carlos mostrou em suas redes sociais como ficou a sua casa depois da operação. Nas imagens, aparece uma sacola da Duloren em cima de uma mesa de estudo.

A empresa então postou um print do momento em que a embalagem é exibida e aproveitou para anunciar uma promoção de até 50% de desconto nas peças íntimas.

“PF, sabemos que era isso que vocês procuravam! Lingeries com até 50% off!”, diz a propaganda que mostra a mesma sacola encontrada na casa de Carlos, agora cheia de calcinhas. “Os mais procurados estão aqui“, completa a legenda.

TOC, TOC

O governo federal também usou, de forma implícita, a operação contra o filho de Bolsonaro para divulgar uma campanha institucional sobre a dengue.

A imagem de um homem batendo em uma porta com a onomatopeia “toc, toc, toc” foi interpretada por diversos perfis como deboche e provocação a Carlos Bolsonaro. O ministro da Secom (Secretaria de Comunicação Social), Paulo Pimenta, defendeu a publicação.

ENTENDA A OPERAÇÃO

Carlos Bolsonaro foi alvo de operação da PF na 2ª feira (29.jan). Policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão na casa do vereador, em seu gabinete na Câmara Municipal do Rio de Janeiro e na casa de praia da família em Angra dos Reis (RJ).

A PF investiga se Carlos recebia informações ilegais da Abin. Ao todo, a corporação fez 9 buscas no Rio de Janeiro (5), Angra dos Reis (1), Brasília (1), Formosa (GO) (1) e Salvador (1).

Na semana passada, uma decisão do ministro Alexandre de Moraes, que autorizou a operação, revelou relatório da PF que indica que a gestão do ex-diretor da Abin, o atual deputado federal Alexandre Ramagem, supostamente teria “instrumentalizado” a agência para fins políticos, monitorando jornalistas, ministros do Supremo e adversários políticos do governo Bolsonaro.

Relatório da PF indica que Carlos participou do “núcleo político” da organização criminosa supostamente formada por funcionários da Abin que monitorou autoridades sem autorização judicial.





Source link

Leave a Comment