Moraes propõe até 17 anos de prisão para réus do 8 de janeiro


Outros 30 acusados já foram sentenciados pela Corte máxima em razão da intentona que devastou a Praça dos Três Poderes em Brasília

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, votou nesta sexta-feira, 2, para que mais 12 réus pelos atos golpistas de 8 de janeiro sejam condenados a penas que variam de 12 a 17 anos de prisão.

Outros 30 acusados já foram sentenciados pela Corte máxima em razão da intentona que devastou a Praça dos Três Poderes em Brasília.

Os pareceres foram depositados em julgamentos que ocorrem no plenário virtual do STF, em sessão que teve início nesta sexta-feira, 2, e tem previsão de terminar somente no dia 9. Até o momento, só Moraes, relator, se manifestou sobre as ações penais.

O ministro propõe a condenação dos réus pelos crimes de associação criminosa armada, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado e deterioração de patrimônio tombado.

O voto também estabelece que os acusados sejam sentenciados a pagar indenização a título de danos morais coletivos no valor total de R$ 30 milhões, de forma solidária – o valor será dividido entre todos os condenados pelo 8 de janeiro.

Os réus são os seguintes:

– Clayton Costa Candido Nunes – 17 anos de prisão;


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– Tiago Mendes Romualdo – 14 anos de prisão;

– Watlila Socrates Soares do Nascimento – 14 anos de prisão.

– Leonardo Silva Alves Grangeiro – 14 anos de prisão;

– Marcelo Cano – 17 anos de prisão


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– Jorge Luiz dos Santos – 17 anos de prisão;

– Juvenal Alves Correa de Albuquerque – 17 anos de prisão;

– Gabriel Lucas Lott Pereira – 12 anos de prisão;

– Robinson Luiz Filemon Pinto Junior – 17 anos de prisão


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– Lucivaldo Pereira de Castro – 12 anos de prisão;

– Marcos dos Santos Rabelo – 12 anos de prisão;

– Manoel Messias Pereira Machado – 14 anos de prisão.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estadão Conteúdo


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Source link

Leave a Comment